Prontos para a 3ª Guerra Mundial?

Presidente dos EUA Donald Trump
Fonte: Pixabay

Nada mais emocionante do que começar o ano de 2020 com um perigo de Terceira Guerra Mundial! Emocionante sim, legal nunca! Nas duas semanas que se passaram desde o início de 2020, o mundo já conseguiu declarar e cancelar o início da Terceira Guerra Mundial. Calma, não é necessário fazer parte de qualquer exército para aproveitar os melhores jogos de cassino do mundo.

A terceira guerra mundial é adiada: no conflito entre os EUA e o Irã, existem mais ameaças do que ações reais. Após um ataque com mísseis noturnos iranianos em duas bases dos EUA, Donald Trump não disse nada sobre uma resposta militar, mas apenas prometeu impor imediatamente sanções econômicas ao Irã. A crise parece estar em declínio. Continue lendo este artigo para saber mais sobre este conflito que ainda poderá levar o mundo ao caos!

Como tudo começou

Para começar o nosso artigo, tudo começou na noite de 8 de janeiro de 2020, o Irã lançou ataques com foguetes contra bases americanas no Iraque. Como resultado, 80 pessoas morreram, 104 instalações de infraestrutura foram destruídas. Mas essa foi apenas a retaliação do Irã contra os Estados Unidos.

Na verdade, as tensões entre Estados Unidos e Irã já acontecem há anos, mas na noite de 3 de janeiro, Donald Trump autorizou o lançamento de um ataque com mísseis, cujo objetivo era o general Kassem Suleimani, comandante das forças especiais da Guarda Revolucionária Islâmica Al-Quds. Em resposta, o Irã declarou as Forças Armadas dos EUA como uma “organização terrorista”, assim o parlamento iraniano endureceu a lei adotada em abril, segundo a qual os Estados Unidos foram declarados “patrocinadores estatais do terrorismo”. Em 5 de janeiro, Teerã anunciou a renúncia às mais recentes restrições a um acordo nuclear concluído em 2015 com seis intermediários internacionais (o Irã iniciou uma redução gradual das obrigações em maio de 2019). Em meio à crescente tensão, os Estados Unidos começaram a enviar tropas adicionais para o Oriente Médio, enviando 4,2 mil soldados para o Kuwait.

Líderes mundiais envolvidos

Sobre o ataque do Irã, o presidente dos EUA, Donald Trump, fez uma declaração oficial no dia seguinte. Ele observou que os americanos não sofreram o ataque e ainda apontou que Washington está introduzindo novas e duras sanções econômicas contra Teerã. O chefe da Casa Branca também pediu à Rússia e a outros países que abandonem o acordo nuclear com o Irã e desenvolvam um novo. Ao mesmo tempo, Trump indicou que estava pronto para a paz com o Irã e esperava que Teerã tivesse relações harmoniosas com todos os outros países do mundo.

Protestos em todo o mundo contra uma nova guerra na região do Golfo.
Fonte: Pixabay

Já do lado iraniano, segundo a Press TV, o Corpo Revolucionário da Guarda Islâmica (IRGC) (unidades de elite das Forças Armadas Iranianas) disse que um ataque com foguete à base aérea de Ain al-Assad foi lançado em resposta ao assassinato do general Kassem Suleimani. A operação foi chamada de “The Martyr Soleimani”, disse o comunicado oficial da Guarda Revolucionária. Quaisquer forças americanas envolvidas na agressão ao Irã serão submetidas a ataques militares, acrescentou o IRGC.

Reação mundial

Grande parte dos líderes do mundo inteiro reagiram com pedidos de paciência para os dois lados, pois uma guerra não é interessante para ninguém no momento. Muitos protestos, principalmente dentro dos Estados Unidos, estão pedindo o fim das tensões com o Irã e lutando contra uma possível guerra. Como vivemos na era da Internet, muitos boatos são divulgados, inclusive há pessoas com medo de serem convocadas para uma eventual guerra.

Por ser um perigo de guerra no mundo atual, o presidente dos Estados Unidos pediu para que todos acompanhassem o desenvolvimento da guerra através da sua conta no Twitter. A guerra também é afetada pela modernidade tecnológica.

Considerações finais

Declarações recentes de Washington e Teerã deram esperanças de uma pausa temporária na escalada de tensão entre os dois países. Nem os EUA nem o Irã, mais ninguém na região e além querem expandir esse confronto para um conflito armado ainda mais perigoso. Portanto, estão sendo feitos esforços febris nos níveis regional e internacional para esfriar as cabeças quentes. No entanto, na minha opinião, isso será apenas uma pequena pausa. 

Os problemas entre o Irã e os Estados Unidos foram tão longe que a qualquer momento o conflito pode entrar em erupção com renovado vigor.